Pimentel cria “área de segurança” em torno de si mesmo; oposição tenta derrubar

Um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) manter seu indiciamento por crimes investigados na Operação Acrônimo, o governador Fernando Pimentel publicou o Decreto nº 46.983, que estabelece os palácios da Liberdade e das Mangabeiras como áreas de segurança permanente e amplia a blindagem em ruas e avenidas adjacentes. Na prática, isso quer dizer que a segurança será ampliada e vai coibir a circulação de pessoas ou qualquer tipo de manifestação.

A medida de Pimentel a princípio é contra manifestações, mas há quem diga que o governador esteja atuando para se proteger da Polícia Federal. Em fevereiro, Pimentel recrutou 23 oficiais do Batalhão de Choque para sua escolta e segurança, num ato que foi descrito como “um recado para os agentes federais ou para oficiais de Justiça”. Ou seja, uma tentativa desesperada de não ser preso que, segundo Leandro Mazzini, da Coluna Esplanada, provocou gargalhadas nos agentes da PF.

Agora, com o decreto que amplia áreas de segurança do governador enquanto a população sofre com o aumento da violência, Pimentel entrega mais ainda o medo de ser preso.  “Parece que há uma tentativa de abrir precedentes para uma proteção nunca antes exigida por um governador. Fica a pergunta: o que Pimentel realmente teme? A manifestação popular ou a Polícia Federal?”, questionou o deputado estadual Sargento Rodrigues (PDT), que apresentou à Assembleia Legislativa de Minas Gerais um projeto de resolução para sustar os efeitos do Decreto.

Compartilhar

Comentários